A Gastronomia Contemporânea

A Gastronomia Contemporânea "abriga tendências que utilizam ingredientes de culinárias diferentes e misturam sabores e técnicas de cocção, a ponto de não se saber a que região, ou culinária, atribuir o prato. É também rótulo dos que criam e recriam receitas, sem apego a cânones rígidos, dando asas à imaginação, agindo com liberdade mas responsavelmente, com muito respeito aos sabores e propriedades originais dos alimentos." (http://veja.abril.com.br/especiais/comida/sp_2002/contemporanea.html)


Publicidade

Gastronomia Contemporânea ao Vivo

Loading...

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Salada de Frutas de Verão

É sempre uma grande felicidade estarmos no verão em forma, com um corpo escultural.
Todavia, atingir a perfeição tão almejada pelos gregos, demanda muito sacrifício, dedicação e uma alimentação rica e saudável.
É claro que ninguém fica sarado sem uma boa dose de exercícios acompanhado de boas receitas de baixa caloria.
Uma opção saudável e refrescante para o verão são as frutas. De colorações e sabores variados as frutas alimentam, saciam a sede e fazem muito bem para o corpo.

A RECEITA É:


SALADA DE FRUTAS DE VERÃO


Ingredientes:

2 bananas;
6 laranjas;
2 maçãs;
1 manga rosa;
05 morangos;
2 kiwis;
1 mamão papaia;
1 ramo de hortelã;
1 lata de leite condensado lihgt.

Modo de Fazer:

 Reserve 3 laranjas para o final. Descasque e corte os frutos em pedaços. Coloque-os em taças. Extraia o suco das 3 laranjas resevadas e coloque-o sobre as frutas nas taças. Despeje uma pequena camada de leite condensado sobre as frutas e decore com o hortelã.  



Rendimento: 08 porções

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Lombo ao Vinho Tinto

As iguarias mais apreciadas pela culinária mineira são aquelas em que a carne suína está presente. 
Todavia, um corte especial do suíno, o lombo, tem seu espaço garantido na culinária tradicional das serras das Minas Gerais.
O lombo de porco assado é um convite e uma tentação para todos que desejam apreciar uma carne tenra e de uma fácil absorção dos sabores de condimentos, sem igual. Levado à mesa em datas especiais, o lombo suíno bem condimentado e crocante rende os mais magistrados paladares à singeleza da culinária mineira e seus inebriantes sabores. 

A RECEITA É:

Lombo ao Vinho Tinto

Ingredientes:

  • 1 peça de lombo suíno (1,5 - 2,0 Kg);
  • 250 ml de vinho tinto seco (cabernet ou merlot);
  • 1 dente de alho pequeno;
  • 1 linguiça calabresa;
  • 2 colheres de sopa (rasas) de tempero pronto ou 1 colher de sopa de rasa de sal; 
  • Salsa e cebolinha à gosto;
  • Pimenta calabresa à gosto (pode ser substituída por pimenta rosa);
Modo de fazer:

Com a faca, fure o lombo (em sua extensão) e recheio-o com a linguiça calabresa. Descasque o alho e parta cada dente ao meio. Em seguida, usando a faca, faça pequenos furos no lombo e insira, em cada furo, o alho partido, anteriormente. Em um recipiente grande (que acondicione o lombo sem sobrar muito espaço) coloque o lombo que será marinado com o vinho e os demais temperos. Passe o tempero ou o sal em toda a sua extensão, acrescente a salsa e cebolinha e após deite o vinho cobrindo todo o lombo.
Deixe o lombo marinando na geladeira por 3 horas (ou de um dia para o outro) sempre virando-o e regando-o com o vinho (de 30 em 30 minutos).
Após este processo, coloque-o no forno (180ºC) coberto com papel alumínio por 40 minutos. Retire o papel alumínio e deixe-o dourar por mais 25 minutos.

Acompnahmento: Arroz Branco, Salada e Farofa de Torresmo.

Rendimento: 10 porções.  

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Salada Mediterrânea

As terras que se encontram ao redor do Mediterâneo partilham uma longa história, em que intervieram vários povos, e um clima muito especial, o que permite que exista uma culinária mediterrânica bem rica. Típicos desta região são também as oliveias, os citrinos e uma enorme variedade de ervas de cheiro, que dão cor e sabor especiais a esta culinária.

Devido ao seu clima ameno, a bacia mediterrânica é extremamente rica em variedades de plantas indígenas, com sabores e cores muito variadas, que os povos que ali vivem aprenderam a utilizar criativamente na sua alimentação. Os citrinos, as azeitonas e as uvas, por exemplo, são frutas típicas desta região, assim como várias ervas aromáticas como a salsa, a hortelã e muitas outras.
A forma mais simples e, apesar disso, muito nutritiva e permitindo grandes variações, de consumir
legumes e frutos é a salada, que estes povos transformaram numa arte. Desde a simples salada grega de pepino com iogurte até às elaboradas saladas francesas e italianas com vários tipos de verduras, queijos e nozes, temperadas com azeites e vinagres aromatizados, as saladas são provavelmente o alimento mais importante no verão, mas servidas quase sempre para contrastarem com o sabor mais carregado de especiarias de outros pratos.
A outra forma básica que os povos do Mediterrâneo provavelmente inventaram e espalharam pelo mundo é o
refogado, base dos guisados, feijoadas e outros pratos e que consiste simplesmente cebola e tomate, fritos em azeite ou outra gordura e geralmente aromatizado com alho e outras ervas aromáticas.
Os legumes
recheados e assados no forno ou na brasa são outra especialidade desta região. Principalmente os tomates e pimento aceitam uma grande variedade de recheios, desde ovos a carne e peixe. Típicas da Grécia são as folhas de videira recheadas e cozidas, enquanto que os lombardos recheados com salsicha são um reflexo da influência das culturas da Europa central nesta região.


A RECEITA É:

Salada Mediterrânea

Ingredientes:

1 pepino pequeno;
1 tomate grande;
1/4 de repolho médio;
1 beringela pequena;
50g de azeitonas pretas;
10 folhas de hortelã;
Azeite Extra Virgem;
Vinagre Balsâmico;
Sal à gosto.

Modo de Fazer:

Corte a beringela, com casca, em cubos e ferva-a por dez minutos em àgua e sal à gosto. Corte todos os legumes, com casca, em cubos e misture em uma saladeira. Em seguida acrescente a beringela, as azeitonas e o hortelã picado. Salpique os legumes com sal, deite à salada o azeite e o vinagre Balsâmico à gosto.

Rendimento: 4 porções

sábado, 21 de fevereiro de 2009

O MISTERIOSO TORRESMO MINEIRO

Um dos grandes mistérios da culinária mineira é o torresmo. São várias as explicações para que ao preparar o toucinho do porco se atinja o ponto ideal: o torresmo sequinho e crocante.
Já ouvi falar as mais variadas anedotas sobre esta iguaria: colocar gotas de alcool ao fritar, colocar no sol para secar, bater na carne para tirar o excesso de liquidos, entre outras histórias fantásticas.
É evidente que tem um segredo na hora de prepararmos este que é um dos pecados culinários mais saborosos.

A RECEITA É

Farofa de Torresmo

ingredientes:


Torresmo:

1 kg de capa de barriga (parte do porco que tem mais carne e menos gordura);
sal à gosto;
pimenta do reino branca à gosto;

Farofa:

300g de farinha de mandioca;
300g de torresmo;
300g de cenoura cozida e em cubinhos;
1 cebola pequena;
1 dente de alho;
100g de uvas passas;
100g de azeitonas sem carroço;
2 ovos;
50 ml gordura de porco;
sal à gosto;
salsa e cebolinha à gosto.

Modo de fazer:

Torresmo: Corte a capa de barriga em tiras e após em cubinhos.Tempere com o sal e a pimenta do reino branca. Deixe descansar por meia hora para apurar o tempero. Após coloque em uma frigideira com tampa sem qualquer tipo de óleo ou gordura. Leve-a ao fogo médio e vá mexendo até que se forme uma camada de gordura da própria carne. Vá mexendo os cubinhos até que fiquem bem fritinhos. Reitre da gordura e coloque-os para escorrer.

Dicas: Não lave a capa de barriga, pois espirrará muito na hora do preparo; o ponto do torresmo é quando atingir a cor de caramelo, antes disto ele fica borrachudo e grudento. Talvez estes sejam os segredos.

Farofa: Em uma frigideira coloque a gordura de porco (que sobrou do torresmo). Em seguida doure a cebola e o alho em cubinhos. Acrescente a cenoura, um pouco da sal e doure-a. Após douradas, acrescente o torresmo, a uva passas e as azeitonas. Mexa bem e acrescente os dois ovos e mais um pouco de sal. Após fritá-los acrescente a farinha de mandioca e mexa até misturar tudo. Coloque em refratário e acrescente a salsa e cebolinha para decorar.

Acompanhamento: Arroz Feijão e Salada.
Rendimento: 4 porções.
O FRUTO BABENTO AFROBRASILEIRO

O quiabo é o fruto da Abelmoschus esculentus, uma planta da família da malva (Malvaceae). O quiabo é uma hortaliça de clima quente e originária da África, tendo sido trazida para o Brasil pelos escravos. Desde então, a hortaliça passou a fazer parte da culinária brasileira; um exemplo disso é o Frango com Quiabo, um símbolo da culinária de Minas Gerais.
O fruto possui uma quantidade significativa de vitamina C, entretanto, a mesma se perde durante o cozimento. Mesmo assim, o quiabo é altamente nutritivo: é rico em vitamina A, importante para o bom estado da visão; vitaminas do complexo B, fundamentais para o processo de crescimento; além de Cálcio, Ferro, Fósforo e Cobre, importantes para a formação dos ossos, dentes e sangue. Devido ao fato de ser um fruto de fácil digestão, o quiabo também é indicado no caso de infecções do intestino, bexiga e rins.
O quiabo é consumido frito, refogado ou cozido, no preparo de pratos e saladas frias. Na hora da compra, é aconselhável optar por frutos firmes, sem manchas e com comprimento menor que 12 cm. Além disso, deve-se consumir o fruto rapidamente, pois o mesmo pode ficar murcho e escurecer em seguida.
Um dos incoveneientes do quaibo é a sua goma viscosa, a famosa baba do quiabo, pouco apreciada por muitos. Porém na culinária baiana, por exemplo, ela é indispensável no Caruru. Uma maneira de eliminá-la é pingando algumas gotas de limão enquanto o estiver cozinhando o quiabo.
Mas teremos que pingar o limão toda vez que fizermos o quiabo? E como ficará o tradicional gosto do fruto babento. Existirá outra forma de eliminar a baba do quiabo?

A RECEITA É

Quiabo Sequinho com Linguiça e Ovos
Ingredientes:
400 g de quiabos selecionados;
300 g de linguiça calabresa ou pura;
1 cebola média;
1 dente de alho;
2 ovos grandes;
100ml de azeite de oliva;
sal à gosto;
pimenta calabresa à gosto;
pimenta rosa à gosto para decorar.
Modo de Fazer:
Limpe e lave os quiabos e reserve. Pique as linguiças e coloque-as para dourar em 50 ml de azeite. Após douradas acrescente a cebola e o alho e doure-os. Logo após acrescente os quiabos fritando-os bem até retirar o máximo da baba. A dica é ir acrescentando o restante do azeite aos poucos. Coloque o sal e a pimenta cabreza. Ainda terá um pouco de baba do quiabo, elimine-a acrescentando os ovos e mexendo-os. Ao servir à mesa salpique a pimenta rosa para colorir o prato.
Acompnahmento: Arroz Branco, Feijão e Farofa de Torresmo
Rendimento: 4 porções

sábado, 7 de fevereiro de 2009

Filés de Frango Diferentes


Uma boa maneira de apreciar os filés de frango é a opção do grelahdo. De baixa caloria é uma carne que satisfaz os que estão a fim de perder alguns quilinhos. Mas o filé de frango cai bem de várias maneiras: empanado, cozido ao molho de tomates e manjericão, ou simplesmente frito (é claro com calorias a mais).

Mas será que daria para ficar ainda mais saboroso?

A Receita é


Filé de Frango Crocante


Ingredientes:

2 filés de frango;

1 dente de alho;

salsa;

manjerona;

sal à gosto;

100g de farinha de trigo;

100 ml de óleo de milho, girassol ou canola.

Modo de Fazer:

Tempere os filés de frango com o alho picadinho, a salsa, a manjerona e o sal à gosto. Reserve por 15 minutos. Em uma frigideira coloque o óleo em fogo baixo. Passe os filés temperados na farinha de trigo cobrindo-os bem e coloque-os para fritar. Escorra-os usando papael toalha ou manteiga.

Tempo de Preparo: 30 minutos

Acompanhamento: Arroz Branco com vinagrete e farofa light

Rendimento: 2 porções
O Tubérculo Andino
Todos sabemos que as batatas são originárias do Perú, nos Andes, onde fora cultivada desde eras imemoriais pelo povo inca e consumida há 8000 anos pelas populações nativas. Chamada de "papa" na língua quínchua é um dos tuberculos mais utilizados no mundo. Ainda em nossos dias, nos países andinos, produzem-se e se comercializam mais de 200 variedades diferentes de batatas. Recente pesquisa baseada no DNA comprovou que todas as variedades da batata descendem de uma única variedade de planta originária do sul do Peru. Esta mesma pesquisa evoca evidências arqueológicas de que o vegetal ali já era cultivado há 7.000 anos para efeitos de alimentação humana. Em 1570, a batata foi levada para a Espanha, de lá se disseminando para a Europa e depois para todo o mundo tornando-se rica fonte de alimento. Atualmente, a cultura mundial atinge a cifra de cerca de 300.000.000 toneladas/ano.
Das milhares de variedades existentes, no Brasil, a batata, Solanum tuberosum L, nativa dos Andes, da região do Peru e Colômbia, serve de base à criação de uma infinade de pratos culinários. Desde a tradicional batata frita à batatas recheadas ao forno este tubérculo rico em carboidratos, com duas vezes mais proteínas que a mandioca, além de vitaminas e sais minerais, atrai o paladar de uma infinade de gerações ao longo dos tempos. Cozida é recomendada nos regimes alimentares, como substituta do arroz, por apresentar menor quantidade de gordura e açúcar que o popular cereal.
Mas o brasileiro, apesar de consumir aproximadamente 13 kg/ano, fica muito para traz da média de consumo de europeus e americanos que é cinco vezes maior.
Será que está muito caro ou é falta de criatividade no preparo do tubérculo andino?
A Receita é

Batatas Grelhadas à Manteiga com Ervas e ao Parmesão

Ingredientes:
300 g de batatas médias;
2 colheres de manteiga;
manjerona à gosto,
sal à gosto;
120g de parmesão ralado em filetes.

Modo de Fazer:
Descasque e corte as batatas em 4 partes e cozinhe-as com sal; derreta em uma frigideira a manteiga, acrescente as batastas e doure-as. Após acrescente a manjerona e dê uma leve dourada, coloque em refratário e salpique com o queijo parmesão.
Tempo de preparo: 20 minutos
Acompanhamento: Arroz Branco ou ao alho e óleo e peito de frango grelhado.
Rendimento: 3 porções

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Fruto Amargo

Muitas pessoas têm resistência em comer jiló. Muitos são os argumentos, mesmo dos que nunca experimentaram o fruto, mas o campeão é o seu gosto amargo. Solução: Segundo os antigos cortá-lo em cruz na hora de cozinhá-lo ou o jiló frito, o que não deixa de ser bom, mas o fruto perde em muito suas propriedades nutricionais que são os sais minerais cálcio, fósforo e ferro. Além disso, o jiló é boa fonte de vitamina do complexo B (niacina- B3), vitamina C e betacaroteno (provitamina A). O Valor Calórico é é outra desvantagem na hora de fritá-lo pois a cada 100 gramas do fruto cru consumimos 38 calorias.Cozido, 52 calorias; refogado, 99 calorias; Já frito a coisa fica séria 288 calorias.

Mas não vamos experimentar este gracioso fruto amargo?

Claro que sim! Cru é bom, mas cozidinho e com uma cervejinha ou cachacinha fica uma delícia. Os Botecos mineiros que o digam.

A Receita é

Jiló ao Molho de Tomates e Ervas Finas

Ingredientes:

400g de jiló;
1 dente de alho;
100g de cebolas;
2 colheres de azeite de oliva;
300g de molho de tomates;
sal à gosto;
Ervas finas à gosto.

Modo de Fazer:

Corte os jilós em cruz em sua extensão e reserve. Doure a cebola e o alho. Acrescente o jiló, o molho de tomates e o sal e deixe cozinhar por vinte minutos. Acrescente as ervas finas

Acompnahmento: Arroz e batatas palha ou uma cerveja bem gelada ou uma cachaça da boa.

Rendimento: 1 porção